Posso medir as minhas coisas por todo o mundo (peso e medidas)

Física

INTRODUÇÃO

Os alunos, através de uma pesquisa guiada na internet em sites pré-selecionados pelo professor, devem realizar uma tarefa que parte da reestruturação da informação recolhida para chegar à criação de um produto final. Imagine que é membro de um de um Estado –Geral e que tem de participar em reuniões para discussão da padronização dos pesos e medidas. Os Estados-Gerais são frequentados por Nobreza, Clero e Terceira Propriedade (burguesa, artesãos, camponeses, médicos, advogados). O objetivo desta atividade é aprofundar o que foi definido relativamente às unidades de medida. A atividade requer a criação de uma apresentação de PowerPoint sobre as unidades de medida utilizadas na física e nas ciências naturais e a sua evolução. Além disso, estão também envolvidas outras disciplinas: a história e a cidadania, como uma reflexão sobre o conceito de igualdade. É necessário o conhecimento básico dos contextos históricos, nomeadamente da revolução francesa.

O Rei de França Luís XVI convoca os Estados-Gerais para 1 de maio de 1789. São recolhidas súplicas, protestos e queixas e, entre muitas outras, surge o pedido de normalização dos pesos e medidas em todo o território do reino. A procura de uma medida comum obedece à necessidade de equidade e igualdade.

Você é membro do Estado-Geral e deve normalizar pesos e medida

 

TAREFA

É obrigado a realizar quatro tarefas neste WebQuest.

  1. Avalie a evolução histórica dos pesos e medidas no seu país e crie um texto curto para descrever as consequências para os assuntos e o comércio
  2. Definir e explicar como as medidas são diferentes em alguns países, considerando a UE, EUA e Reino Unido. Veja as unidades habituais dos Estados Unidos (unidades habituais dos EUA) um sistema de medições comumente usado nos Estados Unidos desde que foi formalizado em 1832. Veja se o sistema na Grã-Bretanha é oficialmente métrico, em linha com o resto da Europa. No entanto, as medidas imperiais continuam a ser utilizadas, especialmente para as distâncias rodoviárias, que são medidas em milhas. Os litros e galões imperiais são 20% maiores do que as medidas americanas.
  3. Criar um pequeno texto sobre os Estados-Gerais e o seu significado histórico e o seu timing e definir por que os sistemas de medição eram tão relevantes
  4. Criar um PPT para descrever um esquema realista da evolução dos sistemas de medições a apresentar ao Rei durante os Estados Gerais
  5. Refletir sobre a evolução de um sistema comum ao longo do processo de criação da União Europeia

 

PROCESSO

Fase 1: Apresentação da atividade a realizar; divisão da turma em cinco grupos. A divisão de grupos ocorre aleatoriamente. Cada grupo representa a Nobreza, o Clero e a Terceira Propriedade e terá de convencer os outros membros do Estado-Geral sobre a adoção de uma determinada unidade de medição e não de outra.

 

Fase 2: O docente comunica a cada grupo qual a atividade que terá de realizar e o trabalho a entregar. Os grupos recolhem material em: "metro", "quilograma", "segundo", "toupeira", "unidades de medição diferentes das do Sistema Internacional (SI), tanto atuais como do passado". Cada grupo terá também de refletir sobre o conceito de igualdade.

 

Fase 3: Apresentação dos recursos disponibilizados. Uma vez analisados os materiais, cada grupo deve criar uma pasta no seu ambiente de trabalho para PC e guardar os materiais selecionados na pasta.

 

Fase 4: Dentro de cada grupo, devem ser identificadas as seguintes funções: coordenador, cético, controlador e porta-voz.

As responsabilidades do coordenador são i) organizar reuniões de grupo; ii) presidir e facilitar a discussão no grupo; iii) manter a atenção do grupo focada na resolução da tarefa; iv) incentivar o grupo a resolver o problema de acordo com uma sucessão de etapas; v) incentivar a participação de todos os membros do grupo na realização da tarefa.

As responsabilidades do cético são: i) perguntar por que razão se segue uma determinada direção na tentativa de cumprir a tarefa; ii) tentar pensar e propor soluções alternativas e de melhoria; iii) concentrar ou identificar quaisquer pressupostos e caminhos na elaboração da tarefa, demonstrando a correção ou falsidade do pressuposto considerado.

As responsabilidades do controlador são: i) verificar se todos os dados e informações provenientes das fontes foram considerados; ii) acompanhar a discussão em grupo (ter minutos nas reuniões de grupo); iii) incentivar os outros membros do grupo a verificarem as informações processadas.

As responsabilidades doporta-voz são expor o trabalho em público durante a simulação do Estado-Geral.

São os elementos do grupo que decidem os papéis. Todos devem participar ativamente na elaboração do trabalho e seguir todas as fases: ler as fontes, reelaboração, elaboração do PowerPoint. Mas cada um dos alunos terá de seguir um de uma forma particular (ser responsável pela fase). Todas as funções devem ser escolhidas de acordo com as competências e capacidades do aluno e é importante considerar e apresentar aos alunos que o trabalho de todos é importante para a avaliação de todos e para o sucesso da atividade.

 

Fase 5: O professor dará algumas sugestões para melhorar o seu trabalho. A avaliação do trabalho proposto baseia-se:

  • Capacidade de utilizar os recursos indicados e de os aprofundar;
  • Clareza de apresentação por parte dos alunos;
  • Capacidade de trabalhar em equipa;
  • Qualidade do trabalho preparado.

 

Para maior clareza da avaliação, encontrará a grelha de avaliação que será utilizada. Olhe antes de começar a trabalhar!

 

Fase 6: Uma vez terminado o trabalho, o porta-voz (ou porta-vozes) de cada grupo apresentará o seu trabalho numa simulação realista dos Estados-Gerais: tempo para apresentação de 10 minutos. No final da apresentação, todos os alunos terão ainda de entregar um relatório escrito das atividades do grupo do ponto de vista organizacional (se os colegas participaram ativamente nas fases, caso houvesse dificuldades particulares).

AVALIAÇÃO

O professor avaliará o produto final (tarefa 4) considerando os seguintes critérios

Critérios para avaliar apresentações
Uma das melhores formas de ajudar os alunos a criar e a entregar boas apresentações passa por fornecer-lhes informações sobre como as suas apresentações serão avaliadas. Alguns dos critérios que pode utilizar para avaliar apresentações incluem:

  • O foco da apresentação
  • A pormenor das ideias apresentadas e a análise
  • Clareza da apresentação
  • Utilização eficaz de factos e detalhes
  • Falta de erros gramaticais e ortográficos
  • Design dos slides
  • Uso eficaz de imagens
  • Clareza da projeção de voz e volume adequado.
  • Conclusão da apresentação dentro do prazo atribuído

CONCLUSÃO

Tendo concluído a atividade, os alunos teriam aprendido o significado da medição e considerado como são muito importantes em duas áreas básicas: experiências científicas e atividades de comércio & comércio.

Funcionarão no futuro com uma melhor consciência das consequências do longo caminho para ter um sistema comum também na EU.

AVALIAÇÃO das aprendizagens

Nesta seção  não são abordados muito profundamente as teorias educativas subjacentes sobre avaliação e testes: há muita coisa que poderíamos colocar neste pequeno relatório de projeto.

Em vez disso, queremos concentrar-nos nos procedimentos que permitam tanto aos alunos como aos seus professores determinar se os objetivos de aprendizagem do Webquest foram alcançados e, de forma positiva, em que medida. Recomendamos que os professores utilizem um procedimento de avaliação comum, que consiste em:

  1. Declarações do aluno (depois de ter sido solicitado a fazê-lo)
    • dizer o que ele aprendeu sobre o assunto (autoavaliação orientada para o conhecimento): agora (depois de passar pelo Webquest) sei que...
    • dizer o que aprendeu sobre si mesmo (avaliação formativa, neste caso autoavaliação de diagnóstico): agora (depois de realizar a Webquest) eu sei sobre mim mesmo que eu ...
      Este conjunto de declarações básicas somam-se a um chamado relatório de aprendizagem, no qual o aluno reflete sobre o que o Webquest lhe trouxe em termos de conhecimento adquirido e novas visões e atitudes  em relação ao assunto.

    Por exemplo:

    • "Aprendi que nos tempos medievais a higiene das pessoas não era uma preocupação que ajudasse a deixar que doenças epidémicas como a Peste causassem tantas baixas" ou: "Aprendi factos e sei que a Terra está a aquecer, mas não consigo entender porque é que  as pessoas foram tão irresponsáveis para poluir o mundo e deixá-la aquecer tanto.
    • "Aprendi que este assunto é mais apelativo para mim do que eu esperaria antecipadamente: talvez deva considerar uma carreira médica". Ou:
      'Os Webquests confirmam o que eu já pensava: Não me importo com o clima e o aquecimento Na verdade,  pensava e ainda penso  que é tudo uma farsa e eu ainda penso!

    O  tipo de avaliação parece mais subjetivo do que é: no seu trabalho padrão de teste e avaliação (e muito mais), simplesmente chamado metodologia (1974), o Prof. A.D. de Groot descreveu como as  ações auto-avaliação do aluno pareciam ser consistentes: quando questionado novamente após 5 ou 10 anos, a sua avaliação seria quase a mesma. De Groot aconselhou os professores a usarem o relatório do aluno como um início para avaliações conjuntas, caminhando para um consenso entre professor e aluno sobre os resultados da aprendizagem e o seu valor para o aluno, mas também comparado com os objetivos de aprendizagem, tal como indicados no currículo.

  2. As realizações de aprendizagem são visíveis na produção realizada pelos alunos: é evidência física: relatórios, respostas a perguntas colocadas no Webquest, apresentações, performance durante apresentações (de preferência gravadas). O professor completa uma grelha de avaliação que indica claramente quais são os resultados de aprendizagem para o aluno. As categorias na grelha podem ser modificadas pelo professor para cobrir mais especificamente o conteúdo de um Webquest.
    Nós aconselhamos os professores a utilizar a grelha para iniciar uma  discussão de avaliação conjunta, visando a consenso ou, pelo menos, o entendimento entre o professor e o aluno sobre os resultados da aprendizagem: se forem alcançados (como previsto no currículo  e comunicado antes do Webquest começar) e em que medida?  Comunicar claramente os objetivos de aprendizagem antes de qualquer atividade de aprendizagem começar, é um requisito de transparência que é amplamente reconhecido na comunidade educativa. A história de tornar explícitos os objetivos de aprendizagem remonta à avaliação 'Bíblia' de Bloom, Hastings e Madaus: "Manual sobre avaliação formativa e sumativa da aprendizagem dos alunos" (1971), um trabalho padrão que também serviu de inspiração para o anteriormente mencionado Prof. De Groot.

O procedimento também se aplica quando alunos trabalharam juntos  num  Webquest.  O professor vai fazer perguntas sobre  contribuições individuais: "O que encontrou?  Qual a parte que escreveu?  Como é que se sabe as ilustrações?  Quem fez a apresentação final?

Todas as provas (de esforços de aprendizagem e resultados mais avaliações conjuntas) estão preferencialmente armazenadas no portfólio de aprendizagem do aluno, ou em qualquer outro sistema de armazenamento adequado (pastas com documentos escritos ou impressos, recolha online de ficheiros, etc. ).

Mudanças de pontos  de vista pessoais e os sentimentos pessoais são mais difíceis  de avaliar e aqui o consenso entre professor e aluno sobre a experiência durante  o processo de aprendizagem  fornece informações essenciais.

A grelha abaixo dá um exemplo de como a avaliação do processo de aprendizagem e os objetivos podem ser trabalhados: que tipo de reações ao Webquest espera e quão valiosas são? O professor é capaz de explicar o valor ou pontuação atribuído a respostas ou apresentações dadas pelos alunos?  O aluno compreende os resultados da avaliação e concorda?  Se um acordo (consenso não é possível, ainda é o professor que decide como valorizar o trabalho do aluno.

Por favor, note que o texto na grelha aborda diretamente o aluno: isto   é importante e é, de facto, um pré-requisito para a utilização da referida grelha de avaliação: destina-se especificamente a permitir uma discussão sobre a aprendizagem entre professor e aluno e não comunicar as  aprendizagens dos alunos a outros que não tiveram qualquer papel direto no Webquest.

grelha de avaliação

 

Financiado por

O apoio da Comissão Europeia à produção desta publicação não constitui um aval do seu conteúdo, que reflete unicamente o ponto de vista dos autores, e a Comissão não pode ser considerada responsável por eventuais utilizações que possam ser feitas com as informações nela contidas.

Contacte-nos

t: +357 2466 40 40
f: +357 2465 00 90
escool.it@scool-it.eu

Financiado por

O apoio da Comissão Europeia à produção desta publicação não constitui um aval do seu conteúdo, que reflete unicamente o ponto de vista dos autores, e a Comissão não pode ser considerada responsável por eventuais utilizações que possam ser feitas com as informações nela contidas.

Contacte-nos

t: +357 2466 40 40
f: +357 2465 00 90
escool.it@scool-it.eu

Financiado por

O apoio da Comissão Europeia à produção desta publicação não constitui um aval do seu conteúdo, que reflete unicamente o ponto de vista dos autores, e a Comissão não pode ser considerada responsável por eventuais utilizações que possam ser feitas com as informações nela contidas.

Contacte-nos

t: +357 2466 40 40
f: +357 2465 00 90
escool.it@scool-it.eu

©2019 sCOOL-IT. All Rights Reserved.
Designed & Developed by PCX Management