Narração ÉPICA: que aventura horrível!

Filosofia

INTRODUÇÃO

 

Este WebQuest pretende ajudá-lo no estudo da epopeia. Em particular, está focado nos dois poemas atribuídos a Homero e a Virgílio. Mas o épico, como sabem, não termina com estes dois autores: espalhou-se por tempos e lugares muito diferentes. Infelizmente, não teremos tempo para lidar com estes outros épicos, que muitas vezes são ainda mais interessantes para vocês, estudantes. Por esta razão, preparámos este WQ para si, uma pesquisa guiada na web para descobrir o épico, desde o período clássico até aos dias de hoje. Serão os protagonistas absolutos. Vai procurar notícias e escrever uma lição interativa sobre estes temas.

O género épico apresenta personagens gerais e durante o seu trabalho, mantenha sempre em mente as seguintes características do género épico:

  1. É uma narrativa que envolve a realização de uma conquista?
  2. Tem a função de transmitir conhecimento, valores, modelos de uma determinada cultura?
  3. Os protagonistas são homens com qualidades superiores à norma.
  4. Presença do elemento sobrenatural (divindade, sereias, mágicos, demónios, etc.)
  5. Está escrito em verso e adota uma linguagem solene?
  6. Há um proemio, no qual o autor resume o tema do poema.

O WQ é endereçado para investigar e navegar na Internet para descobrir mais sobre as características do épico e você e seus companheiros divididos em grupos apresentarão um produto final.

O seu produto final terá de desenvolver os seguintes tópicos, devidamente divididos em parágrafos.

  • O enredo (num ápice)
  • Os principais temas e valores de referência
  • Os caracteres (principal e secundário)
  • Os elementos sobrenaturais
  • A linguagem e a versificação
  • A análise do projeto O trabalho deve ser enriquecido com material iconográfico relevante para o seu tema.

 

TAREFA

É obrigatório realizar as quatro tarefas neste WebQuest. Deve seguir as instruções do seu professor e procurar na web notícias sobre o tópico que lhe será atribuído. Serão divididos em grupos. No final do trabalho, cada grupo desenvolverá um trabalho multimédia, no qual apresentarão o seu tema na melhor das hipóteses e o apresentarão aos outros colegas.

Propomos quatro/cinco grupos cuja tarefa é investigar a narração épica em diferentes áreas. Juntos, os grupos darão uma ideia extensa do Épico durante os séculos. Selecione os grupos que pretende propor, mas considere a linha do tempo para ter no final uma ideia do desenvolvimento da narração épica.

Os grupos propostos são os seguintes:

  • Grecista (para investigar as principais expressões épicas na Grécia Antiga)
  • Latinistas (para investigar as principais expressões épicas na literatura latina antiga)
  • Medievalistas (Épico na Meia-Idade)
  • Índios (para descobrir a grande história de Mahābhārata)
  • Narrativistas nórdicos (para explorar a saga nibelungs)
  • Humanistas (Épico no Humanismo)
  • Contemporaneistas (Tolkien e a fantasia)

 

  1. Percorra os sites discutidos com os seus professores e obtenha uma ideia do conteúdo,
  2. Para procurar outras fontes na web ou no papel,
  3. Após uma primeira consulta do layout do material disponível uma escala do trabalho que pretende fazer;
  4. Faça o download das páginas que considera úteis para o seu trabalho para o seu PC e leia-as atentamente, selecionando ainda mais as informações de interesse,
  5. Prolongar o trabalho, adicionando se necessário também imagens, sons e vídeos. Todos tirarão partido dos conhecimentos disponíveis,
  6. Preparem o produto PPT, tendo em conta que cada um de vós terá de expor uma parte do trabalho realizado,
  7. Exponha os resultados da sua pesquisa aos seus amigos e, em seguida, ouça os seus relatórios. Desta forma, adquirirás um conhecimento completo do género épico, desde a idade clássica até aos dias de hoje, e criarás num Powerpoint uma "história" sobre como aprendeste.

 

PROCESSO

Primeiro, tens de pesquisar a história do desenvolvimento épico. E ter que definir o que é "épico" na literatura.

Considerarão que o poema ou história épico é uma forma comum de uma civilização contar histórias sobre como foi fundada e os valores morais e políticos centrais que sustentam a sua sociedade. Histórias épicas estão relacionadas com o problema da liberdade porque muitas destas histórias de fundações lidam com questões como a natureza da autoridade legítima, o problema da rebelião e as ameaças externas à estabilidade da comunidade.

Você terá uma olhada nestes títulos:


Você vai analisar o Senhor dos Anéis como também semelhante a narrativas épicas na medida em que a sua lógica interna e coerência não dependem de um tipo realista de verisimilitude, mas também não é um mundo de sonho sem referência ao espaço e ao tempo. Em O Senhor dos Anéis, você encontrará uma intenção muito óbvia de investir o mundo ficcional com considerável coerência espacial e temporal através de referências constantes a distâncias e datas, contos e (pseudo)dados históricos que evocam um mundo completamente historizado, apesar da presença de elementos sobrenaturais.

Navegar na Internet descubra o texto principal das sagas nórdicas e do sul e passe pelas narrações épicas clássicas gregas e latinas.

 

RECURSOS

É-lhe pedido que encontre vídeos ou outros materiais que lhe possam dar informações e sugestões sobre o épico nos mundos clássico e nórdico.

 

NOTA

Sugerimos depois de ter uma ideia clara do épico nos tempos, criar um mapa conceptual para prosseguir de forma correta e linear.

 

NÃO SE ESQUEÇA

Ser um "crítico da literatura" é um trabalho difícil! É necessário ler os materiais e histórias originais (mesmo selecionando algumas partes delas) e ter uma ideia original e pessoal, no entanto, tudo o que afirma ou escreve deve basear-se em evidências.

Pode utilizar estes vídeos e websites para encontrar ideias e sugestões, mas recomenda-se que encontre mais websites e selecione as informações corretamente:

Épico na literatura
https://youtu.be/5PPvS1Om5Zg
https://youtu.be/Hhk4N9A0oCA
https://youtu.be/-0C0om2ODIM

 

Épico na literatura clássica

https://youtu.be/6N9i5N9Wrrg
https://youtu.be/7iRZIlPt28M
https://youtu.be/UBs1k_IqQws
https://youtu.be/Msnyh8LTaCY

 

Épico medieval
https://youtu.be/HpSHK9kt_Ic
https://youtu.be/Y4nZi5wQzz4
http://it.wikipedia.org/wiki/ Ciclo_carolingio
http://it.wikipedia.org/wiki/ Chanson_de_Roland
http://it.wikipedia.org/wiki/ Canzone_di_gesta
http://www.eracle.it/eracle2004/letteratura_italiana_origini/la_poesia_dei_trovieri.asp http://www.italicon.it/schede/T261-004.pdf

 

Literatura nórdica
https://youtu.be/ZB06Ivfv2Wg
https://www.britannica.com/topic/Nibelungenlied
https://www.pitt.edu/~dash/nibelungenlied.html

https://www.pitt.edu/~dash/nibelungenlied.html
https://fantasy.bnf.fr/en/understand/song-nibelungs-metamorphosis-saga/

 

Épico indiano
https://youtu.be/oXz0mggaAw4
https://youtu.be/F-nNTGK0wFw

 

Humanismo

https://youtu.be/YbCEWSip9pQ

 

Épico contemporâneo

http://it.wikipedia.org/wiki/Fantasy
http://it.wikipedia.org/wiki/John_Ronald_Reuel_Tolkien
http://www.signoredeglianelli.org/
http://www.bracegirdle.it/
http://www.gransito.com/ilsignoredeglianelli/home.html
http://www.gliscritti.it/approf/tolkien.htm
http://www.gliscritti.it/approf/2006/saggi/tolkien2.htm

 

AVALIAÇÃO das aprendizagens

O professor avaliará o produto final (tarefa 4) tendo em conta os seguintes critérios.

 

Critérios para avaliar apresentações

Uma das melhores formas de ajudar os alunos a criar e a entregar boas apresentações passa por fornecer-lhes informações sobre como as suas apresentações serão avaliadas. Alguns dos critérios que pode utilizar para avaliar apresentações incluem:

  • Foco da apresentação,
  • Clareza e coerência do conteúdo e conhecimento adequado da história romana,
  • Rigor das ideias apresentadas e da análise,
  • Clareza da apresentação,
  • Utilização eficaz de factos e detalhes,
  • Falta de erros gramaticais e ortográficos,
  • Design dos slides,
  • Uso eficaz de imagens,
  • Clareza da projeção de voz e volume adequado,

Conclusão da apresentação dentro do prazo atribuído.

 

Nesta seção  não são abordados muito profundamente as teorias educativas subjacentes sobre avaliação e testes: há muita coisa que poderíamos colocar neste pequeno relatório de projeto.

Em vez disso, queremos concentrar-nos nos procedimentos que permitam tanto aos alunos como aos seus professores determinar se os objetivos de aprendizagem do Webquest foram alcançados e, de forma positiva, em que medida. Recomendamos que os professores utilizem um procedimento de avaliação comum, que consiste em:

  1. Declarações do aluno (depois de ter sido solicitado a fazê-lo)
    • dizer o que ele aprendeu sobre o assunto (autoavaliação orientada para o conhecimento): agora (depois de passar pelo Webquest) sei que...
    • dizer o que aprendeu sobre si mesmo (avaliação formativa, neste caso autoavaliação de diagnóstico): agora (depois de realizar a Webquest) eu sei sobre mim mesmo que eu ...
      Este conjunto de declarações básicas somam-se a um chamado relatório de aprendizagem, no qual o aluno reflete sobre o que o Webquest lhe trouxe em termos de conhecimento adquirido e novas visões e atitudes  em relação ao assunto.

    Por exemplo:

    • "Aprendi que nos tempos medievais a higiene das pessoas não era uma preocupação que ajudasse a deixar que doenças epidémicas como a Peste causassem tantas baixas" ou: "Aprendi factos e sei que a Terra está a aquecer, mas não consigo entender porque é que  as pessoas foram tão irresponsáveis para poluir o mundo e deixá-la aquecer tanto.
    • "Aprendi que este assunto é mais apelativo para mim do que eu esperaria antecipadamente: talvez deva considerar uma carreira médica". Ou:
      'Os Webquests confirmam o que eu já pensava: Não me importo com o clima e o aquecimento Na verdade,  pensava e ainda penso  que é tudo uma farsa e eu ainda penso!

    O  tipo de avaliação parece mais subjetivo do que é: no seu trabalho padrão de teste e avaliação (e muito mais), simplesmente chamado metodologia (1974), o Prof. A.D. de Groot descreveu como as  ações auto-avaliação do aluno pareciam ser consistentes: quando questionado novamente após 5 ou 10 anos, a sua avaliação seria quase a mesma. De Groot aconselhou os professores a usarem o relatório do aluno como um início para avaliações conjuntas, caminhando para um consenso entre professor e aluno sobre os resultados da aprendizagem e o seu valor para o aluno, mas também comparado com os objetivos de aprendizagem, tal como indicados no currículo.

  2. As realizações de aprendizagem são visíveis na produção realizada pelos alunos: é evidência física: relatórios, respostas a perguntas colocadas no Webquest, apresentações, performance durante apresentações (de preferência gravadas). O professor completa uma grelha de avaliação que indica claramente quais são os resultados de aprendizagem para o aluno. As categorias na grelha podem ser modificadas pelo professor para cobrir mais especificamente o conteúdo de um Webquest.
    Nós aconselhamos os professores a utilizar a grelha para iniciar uma  discussão de avaliação conjunta, visando a consenso ou, pelo menos, o entendimento entre o professor e o aluno sobre os resultados da aprendizagem: se forem alcançados (como previsto no currículo  e comunicado antes do Webquest começar) e em que medida?  Comunicar claramente os objetivos de aprendizagem antes de qualquer atividade de aprendizagem começar, é um requisito de transparência que é amplamente reconhecido na comunidade educativa. A história de tornar explícitos os objetivos de aprendizagem remonta à avaliação 'Bíblia' de Bloom, Hastings e Madaus: "Manual sobre avaliação formativa e sumativa da aprendizagem dos alunos" (1971), um trabalho padrão que também serviu de inspiração para o anteriormente mencionado Prof. De Groot.

O procedimento também se aplica quando alunos trabalharam juntos  num  Webquest.  O professor vai fazer perguntas sobre  contribuições individuais: "O que encontrou?  Qual a parte que escreveu?  Como é que se sabe as ilustrações?  Quem fez a apresentação final?

Todas as provas (de esforços de aprendizagem e resultados mais avaliações conjuntas) estão preferencialmente armazenadas no portfólio de aprendizagem do aluno, ou em qualquer outro sistema de armazenamento adequado (pastas com documentos escritos ou impressos, recolha online de ficheiros, etc. ).

Mudanças de pontos  de vista pessoais e os sentimentos pessoais são mais difíceis  de avaliar e aqui o consenso entre professor e aluno sobre a experiência durante  o processo de aprendizagem  fornece informações essenciais.

A grelha abaixo dá um exemplo de como a avaliação do processo de aprendizagem e os objetivos podem ser trabalhados: que tipo de reações ao Webquest espera e quão valiosas são? O professor é capaz de explicar o valor ou pontuação atribuído a respostas ou apresentações dadas pelos alunos?  O aluno compreende os resultados da avaliação e concorda?  Se um acordo (consenso não é possível, ainda é o professor que decide como valorizar o trabalho do aluno.

Por favor, note que o texto na grelha aborda diretamente o aluno: isto   é importante e é, de facto, um pré-requisito para a utilização da referida grelha de avaliação: destina-se especificamente a permitir uma discussão sobre a aprendizagem entre professor e aluno e não comunicar as  aprendizagens dos alunos a outros que não tiveram qualquer papel direto no Webquest.

grelha de avaliação

 

CONCLUSÃO

Com este webquest fizemos uma longa viagem ao mundo da narração épica. Uma jornada que certamente retomará nos próximos anos, aprofundando alguns dos tópicos e autores tratados. Agora, para melhor concluir a experiência, basta trocar apresentações multimédia entre si, para que cada um de vocês possa ter todo o material resultante da sua pesquisa disponível.

Financiado por

O apoio da Comissão Europeia à produção desta publicação não constitui um aval do seu conteúdo, que reflete unicamente o ponto de vista dos autores, e a Comissão não pode ser considerada responsável por eventuais utilizações que possam ser feitas com as informações nela contidas.

Contacte-nos

t: +357 2466 40 40
f: +357 2465 00 90
escool.it@scool-it.eu

Financiado por

O apoio da Comissão Europeia à produção desta publicação não constitui um aval do seu conteúdo, que reflete unicamente o ponto de vista dos autores, e a Comissão não pode ser considerada responsável por eventuais utilizações que possam ser feitas com as informações nela contidas.

Contacte-nos

t: +357 2466 40 40
f: +357 2465 00 90
escool.it@scool-it.eu

Financiado por

O apoio da Comissão Europeia à produção desta publicação não constitui um aval do seu conteúdo, que reflete unicamente o ponto de vista dos autores, e a Comissão não pode ser considerada responsável por eventuais utilizações que possam ser feitas com as informações nela contidas.

Contacte-nos

t: +357 2466 40 40
f: +357 2465 00 90
escool.it@scool-it.eu

©2019 sCOOL-IT. All Rights Reserved.
Designed & Developed by PCX Management